FUNÇÃO DO GERENCIAMENTO DE RISCOS CORPORATIVOS

O Gerenciamento de Riscos Corporativos

No efetivo gerenciamento de riscos decorrente das atividades desenvolvidas nas organizações, a alta direção deve ter uma visão consolidada de suas exposições operacionais. Para este fim, é necessária a criação de uma área para o gerenciamento de riscos corporativos. O desenvolvimento dessa área requer, necessariamente, uma criteriosa definição do escopo do trabalho dos responsáveis pela sua implementação.

As atividades de um departamento de gerenciamento de riscos corporativos, dentro do enfoque moderno, abrange inúmeras disciplinas. Muitas dessas atividades são comuns a uma ampla gama de funções administrativas. Por essa razão, é que este departamento deve possuir processo sistêmico e contínuo de identificação de exposição, medição, análise, controle, prevenção, redução, avaliação e financiamento de riscos. Essas novas funções ajudam a integrar riscos financeiros e não financeiros tradicionais a seguros e responsabilidade legal. É uma área que possui uma grande abrangência, mas com muitas interações através de diferentes disciplinas, tendo por isso a necessidade de uma abordagem integrada.

O Processo de Gerenciamento de Riscos

O gerenciamento de riscos corporativos é um processo conduzido em uma organização pelo conselho de administração, diretoria e demais empregados. É aplicado no estabelecimento de estratégias formuladas para identificar em toda a organização eventos em potencial capazes de afetá-la e administrar os riscos de modo a mantê-los compatíveis com o apetite a risco da organização. O processo visa possibilitar garantia razoável do cumprimento dos seus objetivos.

O gerenciamento de riscos, sob este enfoque, contribui para o fortalecimento e eficiência econômica da empresa, na medida em que proporciona mecanismos de alocação de recursos para o seu emprego mais eficiente. Diante disso, é categórico que abre uma nova janela, com uma abrangência muito grande, onde as empresas passam a monitorar de forma enfática os riscos que possam vir a colocar em perigo seu desempenho e, consequentemente, sua competitividade. É por isso que a questão da sobrevivência não é mera semântica.

Classificação dos Riscos

Não há um tipo de classificação de riscos que seja consensual, exaustivo e aplicável a todas as organizações; a classificação deve ser desenvolvida de acordo com as características de cada organização, contemplando as particularidades da indústria, mercado e setor de atuação.

Por exemplo: os estoques de materiais de consumo são menos relevantes para um banco do que para uma indústria, onde pode representar um dos principais fatores de risco. Analogamente, as variáveis relacionadas ao “risco de mercado” são cruciais para um banco e podem não ser tão relevantes para determinada organização manufatureira.

Podemos classificar os riscos corporativos em quatro dimensões:

  • de Mercado;
  • de Crédito;
  • Operacional;
  • Legal.

E ou simplesmente como:

  • Estratégico;
  • Operacional;
  • Financeiro.

Portanto a categorização vai depender de uma política da empresa de organização e classificação de seus riscos visando agrupá-los e gerenciá-los melhor.

Conclusão

O importante é ressaltar que, independentemente da classificação dos riscos, qualquer tipo de organização deve estudar e compreender os eventos considerados estratégicos.

Os riscos estratégicos alvejam um ou mais elementos cruciais na concepção do modelo empresarial. Em alguns casos podem até acabar com o vínculo da empresa com o mercado. Em outros casos, diminuem a proposta de valor que a empresa oferece, que pode ser a base do fluxo de receita. Podem também diluir os lucros dos quais dependem. Às vezes destroem a gestão estratégica que ajuda a empresa a monitorar e controlar a concorrência. No pior cenário possível, um riscos estratégico pode ameaçar a todos esses pilares da empresa.

Nem todas as empresas irão enfrentar todos os riscos estratégicos, mas com certeza irão ter que enfrentar algum.

No contexto moderno seguindo a citação de Adrian J. Slywotzky, em seu livro Do Risco À Oportunidade, há sete grandes tipos de riscos estratégicos que qualquer empresa deve estar preparada para enfrentar. Embora a empresa vá continuar enfrentando outros tipos de riscos, dos tipos geopolítico, regulatório, operacional, esses setes riscos estratégicos compreendem a gama de riscos que expõe a concepção do negócio da maioria das empresas. Ou seja, a gestão de riscos, por conceito, passa também a lidar com a gestão estratégica e o monitoramento contínuo dos objetivos empresariais.

Deixe uma resposta